Um novo caminho nos conflitos empresariais

Um novo caminho nos conflitos empresariais.

A oportunidade do diálogo entre as partes conflitantes, a delimitação dos pontos divergentes, a exposição de ideias e a presença de um facilitador traz inúmeras vantagens na utilização da mediação no meio empresarial.

Os poucos crentes na efetividade da Mediação e Conciliação no âmbito das relações pessoais e processuais são os mesmos que questionam a utilização das técnicas autocompositivas e heterocompositivas nas relações empresariais e comerciais. As principias dúvidas são relativas a sua eficácia e do grande avanço que se obtém com a implementação desse meio como alternativo à solução e pacificação dos conflitos.

A mediação empresarial trata do conflito entre empresas, bem como pode também alcançar conflitos que o próprio Poder Judiciário não alcançaria como, por exemplo, nas empresas familiares que frequentemente ocorrem situações pessoais envolvidas entre os sócios, nos quais podem afetar a relação profissional, ocasionando o conflito em prejuízo da solidez da empresa.

A oportunidade do diálogo entre as partes conflitantes, a delimitação dos pontos divergentes, a exposição de ideias e a presença de um facilitador traz inúmeras vantagens na utilização da mediação no meio empresarial. É possível realizar ajustes no próprio contrato e em outros pontos ainda não discutidos para manter e desenvolver a boa reputação, além da oportunidade das partes se relacionarem de uma maneira nunca imaginável.

Importante relatar que um estudo feito no Brasil demonstrou que, quase na sua totalidade, as empresas locais são familiares, isto é, são na sua maioria empresas que fizeram o procedimento de sucessão, sobrevivendo por gerações. Com isso, a empresa familiar, como grande maioria no país conferido pelo levantamento, possui conflitos além daqueles puramente profissionais e contratuais, como os conflitos aparentes normalmente se fundam em interesses e posições pessoais, nas quais, naquele momento não são demonstradas, mas em uma ou mais sessões de mediação são expostos.

Neste sentido, a mediação surge para auxiliar o Poder Judiciário, principalmente, nas demandas que as partes possuem condições e disposições para conciliarem e se resolverem sozinhas. Todavia, o instituto da mediação não vem substituir o Judiciário, no qual continua a ser imprescindível para decidir questões inconciliáveis, devendo assim, ser utilizado em situações necessárias com maior qualidade e celeridade.

Ademais, a mediação pode e muito contribuir com a diminuição do excesso de demandas na Justiça brasileira, sendo assim necessário a profissionalização das técnicas, com uma efetiva comunicação, dando-lhe perspectivas futuras e pouco enfoque ao passado, proporcionado um concreto e consenso acordo.

Com isso, o problema passa a ser fonte de transformação social, o que poderia estar no âmbito de violência e descontrole, modifica para uma visão mais pacífica do conflito, satisfazendo o real interesse dos envolvidos.

Portanto, o que se verifica é que ainda se tem um caminho a trilhar para que a mudança de comportamento e cultural das partes e dos operadores do direito com relação a mediação e a conciliação. E, assim possam se orientar conforme a justiça consensual, e as alterações legislativas vêm auxiliar neste processo para que cada vez mais se torne efetivo e aplicado.

Thais Zanforlin — Advogada

Fonte: https://www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/mediacao-e-conciliacao-um-novo-caminho-nos-conflitos-empresariais/120308/

Créditos da Imagem: http://www.unisantos.br/camarademediacao/

logo